Sorry, you need to enable JavaScript to visit this website.

Alimentos sem glúten: Quais são?

Legenda: 
Alimentos sem glúten: frutas

O glúten é uma proteína, sendo encontrado principalmente no trigo, na cevada, centeio e outros grãos. O nome glúten é derivado do latim e significa “cola”, possivelmente porque o glúten é a substância viscosa que “dá liga” às massas, ou seja, as deixa com a textura firme e mastigável que vemos (e comemos) nos pães e bolos.

Por ser uma substância elástica, as proteínas presentes no glúten acabam sendo mais difíceis de digerir. E, às vezes, quando o corpo não consegue processar essas proteínas, a pessoa pode desenvolver uma intolerância ou alergia ao glúten. Para essas pessoas, cortar ou reduzir o glúten é uma necessidade. Felizmente, há muitas opções para montar uma dieta equilibrada com alimentos sem glúten.

 

Precisamos cortar o glúten da dieta?

Para já, é preciso ter em mente que o glúten não é ruim em si e, na verdade, pode fazer bem ao nosso organismo. Ele pode, por exemplo, servir de prebiótico, ou seja, pode alimentar as bactérias boas do nosso intestino e ajudar na nossa digestão. Também vale lembrar que alimentos feitos com grãos integrais (de trigo, aveia, centeio etc.) são fonte de glúten e de nutrientes como as fibras, que trazem vários benefícios para a nossa saúde.

Por outro lado, considerando que o glúten é uma substância encontrada principalmente em pães, bolos e outros alimentos ricos em carboidratos, diminuir o consumo de glúten pode ajudar a emagrecer. Além disso, quando prestamos mais atenção ao que comemos, estamos dando um passo importante para ter uma alimentação mais consciente e saudável. Mas atenção: estamos falando aqui de reduzir o glúten. Cortar o glúten da dieta só é uma recomendação para quem tem um problema de saúde relacionado com ele.

Alguns estudos mostram que, para algumas pessoas, a alimentação sem glúten pode aliviar os sintomas de diversas doenças. As mais óbvias são as que estão associadas ao próprio glúten, claro, como a doença celíaca, a intolerância, a alergia e a sensibilidade. Contudo, alguns estudos mostram que pessoas com a síndrome do intestino irritável, por exemplo, percebem uma diminuição de sintomas como cólicas e diarreia.

 

Alimentos sem glúten

Existem muitos alimentos sem glúten que já fazem parte da nossa dieta diária. Algumas pessoas talvez até consumam mais alimentos sem glúten do que com glúten. O bom é que com tantas opções – e, com o planejamento certo – quem precisa excluir o glúten pode ter ainda assim uma dieta rica em nutrientes. Vamos ver:

Quem precisa cortar o consumo de glúten, pode querer conhecer algumas alternativas à farinha de trigo ou de outros alimentos ricos em glúten. Nesse caso, algumas opções são farinha de arroz, farinha de aveia, amido de milho, farinha de soja, polvilho, flocos de arroz, fécula de batata, araruta, goma de tapioca e fubá.

 

Receitas sem glúten

Pensando em facilitar ainda mais a jornada de quem precisa diminuir ou restringir o consumo de glúten, Que Bem Que Faz preparou uma lista de receitas sem glúten.

Por fim, quem quiser saber mais sobre o glúten, sobre alimentos sem glúten, sobre o que o glúten tem a ver com carboidratos, pode consultar nosso artigo Qual a diferença entre carboidrato e glúten?. E um nutricionista também, claro.


Perguntas frequentes

  • Que alimentos contêm glúten?

    Alimentos com trigo, cevada e centeio como pães, pizza, macarrão, salgadinhos, cerveja, cereais, biscoitos e bolachas.

  • Glúten engorda?

    Glúten não engorda, no entanto, alguns alimentos ricos em glúten – como bolos, pães, pizza e macarrão – também são ricos em carboidratos simples que quando consumidos em excesso, podem levar a um aumento de peso.

  • O que é a doença celíaca?

    A doença celíaca é uma doença autoimune em que o corpo gera uma reação imunológica exagerada à ingestão de glúten. Como resultado, o tecido do intestino delgado se inflama, causando sintomas como diarreia, indigestão, cólicas e até anemia. Para quem tem essa condição, a ingestão de alimentos sem glúten, com acompanhamento especializado, é essencial.

     

Fontes:

https://www.health.harvard.edu/blog/going-gluten-free-just-because-heres-what-you-need-to-know-201302205916 https://bvsms.saude.gov.br/doenca-celiaca/ https://bdm.unb.br/bitstream/10483/12882/1/2015_GustavoPaesBarretoMoreiraMartins.pdf https://repositorio.ipl.pt/bitstream/10400.21/6348/1/Alimentos%20com%20e%20sem%20gl%c3%baten_an%c3%a1lise%20comparativa%20de%20pre%c3%a7os%20de%20mercado.pdf https://onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1111/jgh.13703 https://viafarmanet.com.br/wp-content/uploads/2020/09/Zoomzyme-Glu10.pdf http://sban.cloudpainel.com.br/files/revistas_publicacoes/97.pdf https://www.niddk.nih.gov/health-information/digestive-diseases/celiac-disease/eating-diet-nutrition https://www.hsph.harvard.edu/nutritionsource/gluten/ https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC1692935/

Esse artigo foi: Criado por Nutricionistas