Sorry, you need to enable JavaScript to visit this website.

Alimentos Zero: Açúcar, Lactose e Glúten

Legenda: 
Mesa com colher e tigela cheia de açúcar

Zero pra cá, zero pra lá.... você deve ter reparado que a quantidade de alimentos com a palavra “zero” na embalagem cresceu nas gôndolas.

Mas afinal, porque esses alimentos existem, e para quais pessoas eles são feitos? Vamos te explicar tudo isso (e muito mais!) logo a seguir:

 

Alimentos Zero Açúcar:

Os alimentos zero açúcar são indicados principalmente para pessoas que precisam fazer algum tipo de controle no consumo de açúcares da alimentação, como os diabéticos. No caso destas pessoas, a ingestão de açúcares chamados “simples” (como o açúcar branco, cristal, mel, entre outros) pode resultar no acúmulo destes na corrente sanguínea, o que leva a diversos sintomas como sede excessiva, perda de peso, infecções urinárias frequentes, entre outros. Para estas pessoas, é essencial o acompanhamento de um médico e/ou nutricionista.

E é para manter o sabor (e a doçura!) destes produtos que se utiliza os adoçantes, sejam eles artificiais ou naturais. Afinal, sabor é tudo!!

Mas essa categoria pode fazer parte não só da vida dos diabéticos: para qualquer um que queira uma alimentação com uma quantidade menor de açúcares, estes produtos são excelentes opções para quando a vontade de algo doce bater!

 

Alimentos Zero Lactose:

A onda de alimentos zero lactose veio com tudo, e surge a dúvida: devo consumir esses produtos?

Apesar de muitos acreditarem que o consumo de opções zero lactose leva à perda de peso (o que não é verdade!), é fato que milhões de brasileiros sofrem com a intolerância à lactose, que nada mais é do que a digestão prejudicada da lactose, açúcar naturalmente presente no leite e em seus derivados, como queijo e iogurtes. E como consequência dessa digestão não tão boa, surgem sintomas como inchaço na região do abdômen, gases, diarreia, entre outros. Chato, né?! =/

Mas com a orientação de um médico e/ou nutricionista, é possível que a pessoa até inclua alguns alimentos que contenham lactose em sua alimentação. Mas se bater a vontade de tomar um copão de leite, uma ótima alternativa são os produtos zero lactose, que por conterem uma enzima que “quebra” a lactose, podem fazer parte do dia a dia, sem causar nenhum efeito colateral! =)

 

Alimentos Zero Glúten:

Essa tendência (que já virou realidade!) é bem recente, e também cheia de mitos! Mas para começar... o que é glúten?

Bom, o glúten é uma proteína presente em cereais como trigo, cevada, aveia e centeio. É bem importante dizer que alimentos isentos de glúten não fazem ninguém perder peso! O que acaba gerando esse efeito muitas vezes é a redução (ou mesmo exclusão) de alimentos fontes de carboidratos, como pizza e macarrão.

Na verdade, alimentos isentos de glúten são indicados para um grupo de pessoas bem específico: os celíacos! Eles são portadores de uma doença chamada doença celíaca, quadro no qual acontece uma reação exagerada do sistema imune ao glúten, levando a diferentes sintomas.

Além de produtos zero glúten, existem também receitas que podem fazer parte da vida dos celíacos, ajudando a manter uma alimentação equilibrada e variada, como a prática Panqueca de Quinoa com Filé Mignon e Molho de Abóbora sem Glúten ou a Lasanha sem glúten. Afinal, uma vida sem restrições e cheia de sabor é muito mais gostosa, certo? ;)

 

Referências:

1. Sociedade Brasileira de Diabetes. Princípios para orientação nutricional no diabetes mellitus. Diretrizes SBD 2014 – 2015.
2. Sevá-Pereira, A. Milhões de brasileiros não toleram um copo de leite. GED: Gastroenterologia Endoscopia Digestiva. 1996; 15(6): 196-200.
3. Gasparin FSR, Teles JM, Araújo SC. Alergia à proteína do leite de vaca versus intolerância à lactose: diferenças e semelhanças. Revista Saúde e Pesquisa. 2010; 3(1): 107-114.
4. Sdepanian VL, Morais MB, Fagundes-Neto U. Doença celíaca: avaliação da obediência à dieta isenta de glúten e do conhecimento da doença pelos pacientes cadastrados na Associação dos Celíacos do Brasil (ACELBRA). Arq. Gastroenterol. 2001; 38(4): 232-8.

Esse artigo foi: Criado por Nutricionistas