O que é espirulina? Entenda tudo sobre este suplemento alimentar

Legenda: 
Entenda tudo sobre espirulina

A espirulina (ou spirulina) conquistou a preferência de atletas e esportistas do mundo todo e se tornou um dos suplementos mais populares do mundo. Mas por que essa atenção toda em torno dela – e, afinal, o que é espirulina? O Que bem que faz responde para você!

A seguir, te apresentamos alguns dos benefícios da espirulina, que incluem uma boa quantidade de nutrientes e antioxidantes importantes para o bom funcionamento do nosso organismo.

Mas antes, um alerta: não faça qualquer tipo de suplementação ou alteração drástica em sua rotina alimentar sem consultar um profissional especializado, como um nutricionista. Recado dado, vamos lá?

Rica em nutrientes essenciais

A espirulina é um organismo que cresce em água doce e salgada. É um tipo de cianobactéria, que é uma família de micróbios unicelulares, frequentemente chamados de algas verde-azuladas. Assim como as plantas, as cianobactérias podem produzir energia a partir da luz solar por meio da fotossíntese.

A espirulina foi consumida pelos povos astecas da América do Sul, mas voltou ao centro do debate alimentar quando a NASA, agência espacial americana, propôs que ela pudesse ser cultivada no espaço para uso dos astronautas. Uma dose diária padrão de espirulina é de 1 a 3 gramas, mas doses de até 10 gramas por dia têm sido usadas de forma eficaz.

Esta pequena alga está repleta de nutrientes. De acordo com a Tabela Brasileira de Composição de Alimentos (TACO), uma única colher de sopa (7 gramas) de pó de espirulina seco pode conter cerca de 4g de proteínas, 11% das necessidades diárias de consumo de ferro, 15% de vitamina B2 (riboflavina), 11% de vitamina B1 (tiamina), 21% de cobre, além de boas quantidades de magnésio, potássio e manganês.

Uma porção da espirulina fornece uma pequena quantidade de gordura (cerca de 1g), incluindo ácidos graxos ômega-6 e ômega-3. A qualidade da proteína da espirulina é considerada excelente, comparável aos ovos. Ele fornece todos os aminoácidos essenciais que são necessários para a boa saúde do corpo humano.

Possui propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias

O dano oxidativo pode prejudicar seu DNA e células. Isso pode levar à inflamação crônica, o que contribui para o câncer e outras doenças. A espirulina é uma ótima fonte de antioxidantes, que combatem essa oxidação.

Seu principal componente ativo é chamado ficocianina, substância antioxidante que também dá à espirulina sua cor azul-esverdeada tão característica. A ficocianina pode combater os radicais livres e inibir a produção de moléculas de sinalização inflamatória, proporcionando efeitos antioxidantes e anti-inflamatórios impressionantes.

Pode reduzir o mau colesterol e triglicerídeos

As doenças cardíacas são a principal causa de morte no mundo e um dos seus muitos fatores de risco está ligado aos altos índices de mau colesterol (LDL) e triglicerídeos no sangue. A espirulina, quando consumida com moderação, pode ajudar a melhorar esses índices e, assim, refrear as possibilidades de problemas relacionados ao funcionamento do coração.

Ajuda a combater a hipertensão

A pressão alta é o principal fator de muitas doenças graves, incluindo ataques cardíacos, derrames e doença renal crônica. A dose certa de espirulina (sempre indicada por um nutricionista ou profissional especializado em nutrição, é claro) pode ajudar a reduzir a pressão arterial de pessoas que não têm hipertensão instalada. Acredita-se que essa redução seja impulsionada por um aumento na produção de óxido nítrico, uma molécula de sinalização que ajuda os vasos sanguíneos a relaxar e dilatar.

Pode ajudar a atenuar rinite alérgica

Quem tem rinite alérgica sabe o calvário que são as crises provocadas por este tipo de inflamação nas vias nasais. Sem cura ou tratamento 100% eficaz, ela pode ser provocada por alérgenos ambientais como pólen, pêlos de animais ou até mesmo pó de trigo, além de responder a variações térmicas bruscas.

Os efeitos da rinite são combatidos de várias maneiras e a espirulina pode contribuir para isso. Em pessoas com rinite alérgica, pequenas doses do suplemento podem reduzir drasticamente sintomas como corrimento e congestão nasal, espirros e coceira. Novamente, não tome suplementos sem a orientação e acompanhamento médico específicos.

Pode combater a anemia

Existem muitas formas diferentes de anemia, sendo a mais comum caracterizada pela redução da hemoglobina, os glóbulos vermelhos no sangue. A anemia é bastante comum em adultos mais velhos, levando às sensações de fraqueza e fadiga.

Os suplementos de espirulina aumentam o conteúdo de hemoglobina dos glóbulos vermelhos e melhoram a função imunológica. Estudos sobre o efeito da espirulina na anemia ainda são experimentais, portanto é preciso ter atenção aos resultados de pesquisas futuras.

Aumento da força e resistência dos músculos

O dano oxidativo induzido pelo exercício é um dos principais contribuintes para a fadiga muscular. Certos alimentos vegetais têm propriedades antioxidantes que podem ajudar atletas e indivíduos fisicamente ativos a minimizar esses danos.

A espirulina parece benéfica nesses casos, pois alguns estudos apontaram uma melhora na força e resistência muscular. Em dois estudos, o suplemento aumentou a resistência, aumentando significativamente o tempo que as pessoas demoram para ficar fatigadas

Diabéticos podem se beneficiar com o consumo de espirulina

Alguns estudos realizados em animais ligam a espirulina a níveis de açúcar no sangue significativamente mais baixos. Em alguns casos, os efeitos de seu consumo superaram os de medicamentos populares para diabetes – incluindo o cloridrato de metformina, base dos remédios mais comuns no combate à elevação de glicose no sangue.

Benefícios para a pele

A espirulina é uma proteína completa, pois contém todos os aminoácidos essenciais e ácidos graxos ômega-3, além de ser rica em muitos nutrientes, incluindo vitaminas do complexo B e ferro. Devido a essas qualidades, a espirulina é um ótimo complemento para sua rotina de cuidados com a pele.

O suplemento pode fornecer efeitos antienvelhecimento e anti-inflamatórios, graças aos muitos antioxidantes que contém, combatendo os radicais livres e, portanto, prevenindo danos à pele que podem levar a rugas e sinais de envelhecimento.

A ficocianina é o principal ingrediente ativo da espirulina e dá às algas sua rica cor azul-esverdeada. A espirulina também contém muitos aminoácidos importantes, incluindo glicina e prolina, que mantêm a pele firme e apoiam a produção de colágeno do corpo.

Há riscos?

Embora a espirulina seja geralmente considerada segura, ela pode ter alguns efeitos colaterais e desvantagens – especialmente para pessoas com certas condições de saúde. A espirulina colhida na natureza representa um risco significativo de contaminação, já que as algas podem abrigar toxinas se crescerem em águas poluídas por metais pesados, bactérias ou partículas chamadas microcistinas, substância nociva para o nosso fígado.

A espirulina pode piorar algumas condições autoimunes. Por estimular o sistema imunológico, o suplemento pode piorar algumas doenças autoimunes como lúpus, esclerose múltipla e artrite reumatóide, nas quais o sistema imunológico ataca o próprio corpo.

A espirulina reforça seu sistema imunológico fortalecendo as chamadas células natural killer, que atacam ameaças percebidas em nível celular. Os suplementos de espirulina também foram associados a respostas autoimunes graves que afetam sua pele e músculos, embora esse efeito colateral pareça ser muito raro. Portanto, caso você tenha uma condição autoimune, deve evitar a espirulina e outros suplementos de algas.

Agora que você já sabe o que é espirulina, que tal conferir mais artigos sobre alimentação saudável e qualidade de vida no site do Que Bem Que Faz? Você vai se nutrir de informações perfeitas para melhorar o seu dia a dia!


Perguntas frequentes

  • O que é espirulina? Trata-se de uma pequena alga que cresce em água doce e salgada. É um tipo de cianobactéria, que é uma família de micróbios unicelulares, frequentemente chamados de algas verde-azuladas. Assim como as plantas, as cianobactérias podem produzir energia a partir da luz solar por meio da fotossíntese. A espirulina foi consumida pelos povos astecas da América do Sul – mas voltou ao centro do debate alimentar quando a NASA, agência espacial americana, propôs que ela pudesse ser cultivada no espaço para uso dos astronautas.

    Quais são os nutrientes encontrados na espirulina? A espirulina pode conter doses importantes para o consumo diário de proteínas, ferro, vitamina B2 (riboflavina), vitamina B1 (tiamina), cobre, magnésio, potássio e manganês. As proteínas fornecidas pelo suplemento, inclusive, são de boa qualidade, comparáveis às proteínas encontradas no ovo.

  • Quais são os benefícios da espirulina? A espirulina possui propriedades anti-inflamatórias e antioxidantes, prevenindo os sinais de envelhecimento do corpo e regulando o funcionamento das células. Há estudos que comprovam sua eficácia na regulação do sistema cardiovascular, prevenindo doenças cardíacas e hipertensão, além de ser usado em tratamentos para rinite alérgica, anemia e até em rotinas de beleza para a pele.

    Quais são os riscos da espirulina? Embora sejam raros, os efeitos colaterais da espirulina podem vir, principalmente, por duas vias: a qualidade da água em que as cianobactérias, matérias-primas do suplemento, foram criadas; e se a pessoa possui doenças imunes. No primeiro caso, a espirulina pode intoxicar o organismo caso a água em que ela foi colhida tenha a presença de metais pesados provenientes de contaminação industrial. Já no segundo, o forte estímulo ao sistema imunológico do nosso corpo pode ser danoso para pessoas com doenças como lúpus, esclerose múltipla e artrite reumatóide, já que nesses casos a imunidade ataca o próprio corpo.

    Referências

    https://www.healthline.com/nutrition/10-proven-benefits-of-spirulina#TOC_TITLE_HDR_12

    https://www.healthline.com/health/beauty-skin-care/spirulina-benefits-skin#vs-chlorella

    https://www.healthline.com/nutrition/spirulina-side-effects#side-effects

Esse artigo foi: Criado por Nutricionistas