Sorry, you need to enable JavaScript to visit this website.

Tipos de leite: quais as principais diferenças entre eles?

Créditos: 
GettyImages
Legenda: 
Tipos de leite

Você sabe o que é leite tipo C? Tipo A? B? Pasteurizado? Leite desnatado, semidesnatado ou integral? Existe leite vegetal? São muitas dúvidas, mas Que bem que faz está aqui para solucionar todas elas!

Se você observar os rótulos dos leites nos supermercados, vai encontrar várias dessas classificações por aí. Há os leites de origem animal diversos, como de cabra e búfala, mas esse artigo vai se concentrar no leite de vaca, que acaba ganhando uma categorização à parte. Quer entender como funciona? Confira a seguir!

 

 

Quais são os tipos de leite de vaca?

Geralmente, os leites de vaca que você compra no supermercado podem ser classificados em dois tipos, UHT e pasteurizados.

Os UHT (da sigla em inglês ultra high temperature; temperatura muito elevada) normalmente são vendidos em caixinhas e passam por um processo de superaquecimento com o objetivo de matar todas as bactérias nocivas ao nosso organismo, neutralizando qualquer ameaça que o leite puro possa ter – no passado, o leite foi um grande vetor de doenças como tuberculose.

Já os leites pasteurizados ganham esse nome por conta do processo que consiste no processo de elevar a temperatura para, e logo após, levar o leite ao congelamento. Esse choque térmico é outra maneira de neutralizar as bactérias do leite. A diferença é que esse método torna o prazo de validade do leite bem menor que o UHT. Geralmente são vendidos em garrafas plásticas ou de vidro, além de saquinhos.

 

Qual é a diferença entre leites tipo A, B e C?

Esse tipo de classificação é bem comum e diz respeito apenas aos leites que passam pela pasteurização. Ou seja, os leites UHT estão fora deste grupo. Essa separação diz mais respeito do tipo de ordenha e da concentração de microrganismos que podem estar contidos no leite, já que, em termos nutricionais, não há nenhuma diferença entre eles.

Leite tipo A

Todo o processo de extração do leite, ou seja, sua ordenha, é feita de maneira mecanizada, sem o contato humano com o leite ou com as vacas. Por conta disso, a concentração de microrganismos é a menor possível. Outra característica do leite pasteurizado tipo A é que sua ordenha vem de apenas um rebanho específico, sem misturas com leites de outras origens.

Leite tipo B

Há uma quantidade levemente maior de microrganismos por mL neste tipo de leite, que também pode vir de vários rebanhos distintos. Ao invés de ser enviado diretamente para a pasteurização, ele pode ser armazenado congelado por até 48h antes de ser tratado. O processo aqui pode ser mecanizado ou manual, mas ambos os métodos devem atender o mesmo volume bacteriano máximo para ganhar a classificação de leite tipo B.

Leite tipo C

A diferença entre o tipo B e o tipo C é que não há processo prévio de refrigeração: ele vai direto para a pasteurização e envase. Esse leite conta com uma concentração maior de microrganismos por mL, portanto antes de consumi-lo é necessário fervê-lo.

 

Leite vegetal? Não exatamente

Até pouco tempo atrás, era comum encontrar produtos nos mercados intitulados de leite vegetal, feitos a partir de ingredientes como soja, amêndoas e cereais diversos. No entanto, de acordo com as diretrizes do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), esta não era a melhor maneira de dar nome a esses alimentos, já que leite é “um produto oriundo da ordenha completa e ininterrupta de vacas sadias ou de outros mamíferos”. Ou seja, se não vem de animais, não é leite!

Por conta disso, bebidas feitas com base em amêndoas, coco, aveia ou soja não ganham esse nome. As bebidas vegetais estão divididas de acordo com a matéria-prima utilizada para sua produção. Existem as feitas a partir de leguminosas, com base em amendoim, ervilha e soja, por exemplo. Já amêndoas, coco, macadâmia e pistache estão na categoria dos frutos secos, conhecidos também como castanhas.

Dentre os cereais mais utilizados para fazer bebidas, estão arroz, aveia e milho. Pseudocereais como quinoa e amaranto também podem virar bebidas vegetais bem gostosas. Por fim, outras fontes são sementes como sésamo e girassol.

 

Quando o leite é desnatado, semidesnatado ou integral?

A relação dos leites integrais, semidesnatados e desnatados diz respeito, especialmente, à concentração de gordura na sua composição. Os leites semidesnatados, tanto em versão em pó, quanto na versão líquida, seria algo como uma versão “light” do leite regular, podendo conter de 0,6 a 2,9% de gorduras totais. Já o leite integral deve conter, no mínimo, 3% de gordura.

Se você está fazendo uma reeducação alimentar e/ou não pode comer coisas gordurosas de maneira geral, o ideal é consumir leite desnatado, no qual apenas 0,5% de gorduras. Apesar da quantidade reduzida de gorduras, ele pode conter muito sabor e integrar deliciosas receitas. Hoje no mercado encontramos ele na versão líquida, em pó e até nas bebidas em cápsulas.

Além dessas três categorias, há o leite zero lactose, uma opção cada vez mais presente no mercado, voltada para quem tem intolerância à lactose. Essa versão já faz a quebra da lactose (o açúcar do leite) em glicose e galactose, dois tipos de açúcares que podem ser absorvidos pelos organismos dos intolerantes. Geralmente ele possui um sabor mais adocicado, mas nada que atrapalhe o consumo no dia a dia e o preparo de receitas.

 

Combinações deliciosas com leite desnatado

A seguir, apresentamos algumas receitas deliciosas com leite desnatado. Afinal, sabor nunca é um elemento que a gente pode abrir mão, mesmo quando pensamos em alimentação saudável, não é?

Com essas informações sobre os tipos de leite, vai ser mais fácil identificar aquele que você quer na prateleira do mercado. E no site Que Bem que Faz você encontra mais artigos – inclusive sobre leite – para criar seu próprio estilo de vida saudável.


Perguntas frequentes

  • Qual é a diferença entre leite UHT e pasteurizado?

    Os UHT normalmente são vendidos em caixinhas e passam por um processo de superaquecimento com o objetivo de matar todas as bactérias nocivas ao nosso organismo. Já os leites pasteurizados ganham esse nome por conta do processo que consiste no processo de elevar a temperatura para, logo após, levar o leite ao congelamento. Esse choque térmico é outra maneira de neutralizar as bactérias do leite. Por conta dessa diferença de método, o UHT é conhecido como “leite longa vida”, com longo prazo de validade, enquanto o leite pasteurizado requer um consumo mais imediato, e precisa ser mantido sob refrigeração.

  • Qual é a diferença entre os leites tipo A, B e C?

    Classificação usada apenas com leites pasteurizados, elas são divididas basicamente por conta do tipo de ordenha, sua procedência e método de pasteurização. No tipo A, todo o processo de extração do leite é feita de maneira mecanizada e, por conta disso, a concentração de microrganismos no leite é a menor de todas. Nos tipos B e C, a ordenha pode ser mecanizada ou manual, além de poder misturar leites de rebanhos distintos. Em termos nutricionais, não há diferenças entre os três tipos.

  • Desnatado, semidesnatado ou integral: qual leite tomo?

    Depende do seu objetivo. Se a ideia é ter uma alimentação com baixo teor de gorduras, os leites desnatado e semidesnatado são a solução, já que contêm menos de 0,5% e de 0,6 a 2,9% de gordura, respectivamente. O leite integral precisa conter, no mínimo, 3% de gorduras totais, sendo um leite mais “gordo”, porém mais concentrado.

  • Leite ou bebida vegetal?

    Leite, de acordo com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), só pode denominar bebidas de origem animal. Portanto, se as bebidas forem preparadas com ingredientes vegetais como amêndoas, arroz, aveia e outros devem ser chamados de bebidas vegetais.

  • Quais as principais fontes de bebidas vegetais?

    Basicamente, cinco fontes: leguminosas (amendoim, soja), frutos e frutos secos (coco, amêndoas, macadâmia e pistache), cereais (arroz, aveia, milho), pseudocereais (quinoa, amaranto) e sementes (girassol, sésamo).

     

Referências

 

  1. https://content.paodeacucar.com/saudabilidade/tipos-de-leite-b-e-c
  2. https://brasilescola.uol.com.br/saude/tipos-leite.htm
  3. https://ablv.org.br/leiteesaude/tipos/
  4. https://www.healthline.com/nutrition/whole-vs-skim-milk
  5. https://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil/noticia/2003-11-21/como-diferenciar-os-diversos-tipos-de-leite
  6. https://www.scielosp.org/article/csc/2019.v24n8/3099-3106/

     

Esse artigo foi: Criado por Nutricionistas