Sorry, you need to enable JavaScript to visit this website.
Mulher de camisa branca tocando uma mão na outra

Aterosclerose: o que é, fatores de risco e tratamento

Compartilhar
Legenda: 
Mulher de camisa branca tocando uma mão na outra
Atualizado em  novembro 2023

A aterosclerose é uma doença caracterizada pela obstrução da passagem do sangue através das artérias. Isso acontece devido ao acúmulo de gordura, cálcio e outros elementos que se agarram às paredes das veias, impedindo a passagem do sangue e a oxigenação de todas as partes do corpo. A ausência de oxigênio compromete as funções do organismo, aumentando significativamente o risco de surgirem problemas sérios de saúde – como infarto, acidente vascular cerebral (AVC) e até morte súbita.

Quer entender melhor como o problema acontece e o que fazer para evitá-lo – ou tratá-lo após o aparecimento? Então fique conosco até o final deste artigo!

 

Como a aterosclerose se forma?

Nossas artérias são como pequenos tubinhos, responsáveis por transportar o sangue oxigenado vindo dos pulmões e bombeado do coração para as demais partes do corpo. Elas têm, em média, 0,8mm em indivíduos normais – espessura um pouco mais grossa do que a de um fio de cabelo.

O oxigênio tem um papel essencial no funcionamento do organismo. Sem ele, não seria possível realizar uma série de processos metabólicos, como:

Quando uma artéria é obstruída, a passagem do sangue é impedida e muitas dessas funções ficam comprometidas, pois as células não estão recebendo oxigenação suficiente para cumprirem suas funções. A aterosclerose faz justamente isso: entope as veias, causando uma série de complicações para a saúde, sendo as mais graves relacionadas à falta de oxigênio no cérebro e para as artérias coronárias (aquelas que nutrem o coração).

Quais são os sintomas?

A aterosclerose é uma doença silenciosa, que vai se desenvolvendo ao longo de vários anos – muitas vezes, sem que o paciente perceba. Por isso, é indispensável manter os exames em dia: o diagnóstico precoce, feito por meio da avaliação minuciosa de um cardiologista através de exames de colesterol e outros marcadores, aumenta as chances de reduzir a progressão da doença. Contudo, alguns sinais podem indicar a presença do problema, como:

 

O que leva ao surgimento da aterosclerose?

Segundo informações do Ministério da Saúde, taxas elevadas de colesterol são as maiores causas do surgimento da doença no Brasil, ocasionando uma reação inflamatória no endotélio (uma capa de células que revestem as paredes das artérias). Nesses pontos de inflamação começam a surgir os primeiros sinais de formação de ateromas (as placas que bloqueiam a passagem do sangue). Contudo, há outros fatores de risco que podem contribuir para o surgimento da aterosclerose, como:

Pressão alta

De acordo com um artigo de revisão publicado na Revista Brasileira de Cardiologia, as alterações na função do endotélio, provocadas em resposta à hipertensão, contribuem para a ativação da doença no organismo. Isso quer dizer que todas as pessoas hipertensas um dia desenvolverão aterosclerose? Não; contudo, a pressão alta precisa estar controlada para não propiciar o cenário ideal para a aparição do problema.

Diabetes

A diabetes tipo 2 é uma doença decorrente do excesso de glicose no sangue. Por ter uma evolução lenta e sintomas discretos, suas manifestações costumam ocorrer após os 40 anos de idade, provocando complicações tardias. O problema costuma estar relacionado à obesidade, ao comportamento sedentário, ao histórico familiar e a uma alimentação pouco equilibrada.

Segundo uma publicação da Revista da Sociedade Brasileira de Clínica Médica, a diabetes, dentre todos os fatores de risco para o desenvolvimento da aterosclerose, é um dos mais danosos, pois a exposição prolongada a altos índices de glicemia e a presença de resistência à ação da insulina facilitam o aparecimento da doença.

Tabagismo

O tabagismo também pode contribuir para o desenvolvimento de diversos problemas de saúde – entre eles, a aterosclerose. De acordo com uma pesquisa realizada pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), o costume de fumar acelera e agrava a doença devido à liberação de substâncias nocivas presentes na nicotina. Radicais livres e outros componentes prejudicam as funções do endotélio.

Sedentarismo

De acordo com estatísticas da Organização Mundial da Saúde (OMS), um em cada quatro adultos não pratica atividade física suficiente por semana – e esses números são os mesmos para os adolescentes. A prática frequente de exercícios é essencial para prevenir e controlar diversas doenças, inclusive a aterosclerose cerebral e a coronária. A recomendação da instituição é praticar algum esporte pelo menos três vezes por semana – além de fazer bem para o corpo, a prática de atividade física ajuda a fortalecer a saúde mental.

Predisposição genética

Apesar de representar um pequeno número entre os casos da doença, o histórico familiar pode influenciar o desenvolvimento da aterosclerose – de acordo com um estudo publicado no Jornal Brasileiro de Pediatria, crianças e adolescentes cujos parentes próximos têm problemas de coração estão mais suscetíveis a desenvolver a doença. Daí a importância da prevenção, praticando exercícios físicos a fim de não acumular fatores de risco.

 

Aterosclerose: como é feito o tratamento?

Infelizmente, a aterosclerose não tem cura. Contudo, um diagnóstico precoce pode facilitar a desaceleração do problema – por isso, é essencial manter os exames em dia. Dependendo do caso, algumas das opções abaixo podem ser utilizadas como alternativas para desobstruir as artérias:

Manter uma alimentação balanceada, além de auxiliar na prevenção da doença, ajuda a reduzir sua progressão e a melhorar a qualidade de vida. Por isso, procure ter uma dieta equilibrada, abundante em frutas, vegetais e proteínas de alto valor biológico – e também caprichar nos exercícios físicos, é claro.

Se você não sabe por onde começar, procure a ajuda de seu médico ou nutricionista e fique de olho nas publicações aqui no Que Bem que Faz. Sempre temos informações de qualidade sobre saúde e bem-estar esperando por você!


Perguntas frequentes

  • O que fazer para prevenir a aterosclerose?

    Evitar os fatores de risco é essencial para reduzir as chances de desenvolver a doença. Por isso, procure se alimentar bem, praticar exercícios físicos com frequência e evitar o tabagismo. Juntas, essas atitudes contribuem para a prevenção da aterosclerose.

    Como reduzir o colesterol?

    Como vimos, o colesterol alto é um dos principais responsáveis pelo aparecimento da aterosclerose. Para reduzir seus níveis, é importante praticar atividade física regularmente, aumentar a ingestão de fibras, consumir alimentos prebióticos e, é claro, seguir as recomendações e os tratamentos indicados pelo médico.

Fontes

http://departamentos.cardiol.br/dha/revista/14-4/06-hipertensao.pdf

https://www.saude.pr.gov.br/Pagina/Diabetes-diabetes-mellitus

http://files.bvs.br/upload/S/1679-1010/2010/v8n6/a1603.pdf

https://docs.bvsalud.org/biblioref/2021/08/428735/implicacoes-do-tabagismo-ativo-e-do-tabagismo-passivo-como-meca_MweVgrm.pdf

https://www.bio.fiocruz.br/index.php/br/noticias/2085-oms-atualiza-diretrizes-sobre-sedentarismo-e-atividade-fisica

https://www.jped.com.br/pt-fatores-risco-aterosclerose-em-criancas-articulo-X2255553604019420

http://www.ufrgs.br/fisiologiacelular/site/arqs/lipoc/Fatores%20de%20Risco%20Coronariano/Doen%C3%A7as%20Cardiovasculares%20e%20Fatores%20de%20Riscos.htm

O QbemQfaz é um portal de conteúdos sobre saúde, nutrição, bem-estar e alimentação saudável da Nestlé. Os conteúdos desse site têm caráter informativo e não substituem o aconselhamento e acompanhamento médico, nutricional e de outros profissionais de saúde.