Créditos: GettyImages
Legenda: Números são apenas números se não tiverem contexto.

Na hora de subir na balança da farmácia a gente clama ao universo para não ter nenhuma surpresa. A verdade é que a neura do peso ainda é algo recorrente. O tal do IMC - índice de massa corporal -, foi e ainda é visto como um indicativo de saúde. Mas será que um cálculo entre peso e altura diz tanto a respeito da saúde de uma pessoa?

LEIA TAMBÉM

O objetivo do IMC é identificar, por meio de uma fórmula matemática, se você está com o peso adequado para sua altura ou se apresenta magreza, sobrepeso ou obesidade. Para calcular o IMC é preciso dividir o seu peso pela altura elevada ao quadrado: IMC = Peso ÷ (Altura × Altura). Exemplo: se você pesa 65 kg e tem 1,62m de altura, ficaria 65 / (1,62 x 1,62) = 24.8. Se o resultado ficar entre 18.5 e 24.9 é considerado normal. Caso seja menor que 18.5, é magreza. Entre 25 e 29.9 é sobrepeso e entre 30 e 39.9, obesidade. Acima disso é chamado de obesidade mórbida.

Sabe o que você faz com esse dado? Não muita coisa. Nada contra o IMC, mas essa referência não avalia como estão os nutrientes no seu organismo, não leva em consideração sua idade, gênero, percentual de gordura, genética, rotina, histórico de doenças ou se você pratica atividades físicas. Percebe como é uma informação limitada?

Então, mais importante do que saber o que o IMC define a respeito de sua saúde, é entender que, na verdade, ele não define quase nada.

O peso que o peso tem

O peso que você vê na balança é um combinado de um monte de coisas: massa muscular, ossos, água e gordura. É possível, por exemplo, estar mais pesado na balança sem necessariamente estar com mais gordura corporal. Massa muscular pesa mais do que gordura; assim como também dá para estar mais leve na balança, mas apresentar gordura corporal a mais. Saiba que aquele inchaço clássico da retenção de líquido também pesa mais e é apenas água.

Por isso, os amantes das exatas que me desculpem, mas, quando o assunto é saúde, um mais um nem sempre é dois. São necessários exames e análises mais completas para conseguir definir algo sobre o metabolismo de uma pessoa. Não é bagunça.

Créditos: GettyImages
Legenda: Só a magreza é saudável? Meça suas palavras, parça

Só a magreza é saudável? Meça suas palavras, parça

É comum a gente acreditar que uma pessoa é saudável por ser magra. Mas quem vê barriga negativa, muitas vezes, não vê os exames com os níveis de açúcar e colesterol bom-ban-do. Nenhum desses problemas de saúde costuma ter sintomas muito evidentes: a gente só percebe que tem quando recebe os resultados dos exames.

Além disso, essas doenças também podem ser hereditárias ou surgirem conforme a idade avança. Padrão estético e um IMC considerado normal não são, obrigatoriamente, sinônimos de saúde e vice-versa. A própria ideia de gordura corporal é mais abrangente do que as dobrinhas que se vê no espelho.

O corpo humano tem alguns tipos de gordura com diferentes funções, têm células que são prejudiciais à saúde, outras que não são tão boas, mas necessárias e as fundamentais para o bom funcionamento do organismo. Claro que elas estão presentes em todos os tipos de corpos.

Peso ideal existe?

Essa ideia de que existe um IMC, peso e até dieta ideal é cilada. O seu corpo é único, porque cada ser humano tem sua carga genética e hormonal e estrutura corporal. Os indicadores, sejam quais forem, são válidos para obter informações sobre o funcionamento do organismo, não para ditar regras e dar rótulos.

O interesse pela própria saúde é ótimo e importante, principalmente com acompanhamento médico. Vale lembrar que um número, preconceitos ou soluções milagrosas sem embasamento científico não definem o que é saudável. Melhor do que um índice sozinho é conhecer seu corpo e cuidar de você com carinho.

Assine a nossa Newsletter

A certificação de metodologias que nos auxiliam a lidar com o desafiador cenário globalizado.

Digite um e-mail válido.