Sorry, you need to enable JavaScript to visit this website.

Complemento alimentar: o que é, e sua importância para os 50+

Legenda: 
Complemento alimentar: comprimido

Para muitos adultos após os cinquenta anos, envelhecer de forma saudável pode se tornar uma tarefa difícil. Isso acontece porque o corpo acaba perdendo muitos nutrientes com a progressão da idade; nesses casos, o complemento alimentar surge como um parceiro na nutrição e saúde da melhor idade!

 

O que é o complemento alimentar?

Encontrados em formas de pílulas, líquidos ou em pó, os complementos alimentares são substâncias feitas – como o próprio nome já diz – para complementar a nutrição diária. Seja através da reposição dos nutrientes perdidos ou para diminuir os riscos de problemas de saúde como a osteoporose, os complementos alimentares podem conter vitaminas, minerais, aminoácidos e outras enzimas necessárias para o bom funcionamento do organismo.

Sabendo disso, ao usar complementos alimentares é preciso estar atento ao fato de que estes não substituem os benefícios de uma alimentação balanceada (com boas quantidades de fibras e antioxidantes) e que devem ser ingeridos de acordo com as suas necessidades nutricionais, sendo importante consultar seu médico sobre qual complemento tomar e em quais quantidades.

 

Qual sua importância para os 50+?

Nosso corpo sofre diversas mudanças com o avanço da idade, e o complemento alimentar surge como um elemento importante para manter o corpo saudável. Algumas vitaminas que se tornam ainda mais necessárias após os 50 são as seguintes:

Vitamina D e cálcio: A partir dos cinquenta anos, a perda de densidade óssea se inicia, principalmente entre as mulheres – pois o estrogênio é necessário para manter a massa óssea e, com o início da menopausa, os níveis desse hormônio caem significativamente. A vitamina D se faz necessária para manter os níveis de cálcio no corpo e evitar doenças como a osteoporose.

Esses são apenas alguns dos nutrientes que podem precisar de alguma complementação alimentar após os cinquenta. Eles auxiliam a ter um estilo de vida mais saudável e melhoram o bem-estar. Agora que você já sabe tudo sobre complemento alimentar, o que é, e a importância que têm para os 50+, que tal consultar o seu médico sobre quais nutrientes você pode precisar de complementação?


Perguntas frequentes

  • O que é bom para fraqueza em idosos?

    A fraqueza em idosos costuma ser causada pela falta de proteína. Com a degeneração muscular causada pela idade, pode ser preciso complementar a alimentação de carne, ovos, peixes e grãos com um suplemento vitamínico, um suco proteico e exercícios físicos regulares.

  • Qual o melhor suplemento para Alzheimer?

    Selênio, probióticos e vitamina B12 são boas opções de suplementação para tratar ou prevenir o Alzheimer.

  • Qual a melhor vitamina para abrir o apetite do idoso?

    A falta de apetite é comum na terceira idade. Nesse caso, comer alimentos mais calóricos e ricos em vitamina B pode ajudar. Mas, lembre-se: descobrir a causa da falta de apetite no idoso pode ser importante para tratá-la, pois muitas vezes esse sintoma é derivado de fatores emocionais e psicológicos que causam a perda do apetite.

  • Porque idoso não sente fome?

    As próprias alterações corporais da idade podem gerar a perda de apetite. Perda do olfato, paladar, problemas de dentição e o sistema digestivo mais sensível podem causar a perda de apetite.

  • O que os idosos não podem comer?

    Idosos devem evitar alimentos ricos em açúcares, gordura, sal, alimentos industrializados e álcool.

     

Fontes

https://www.snugsafe.com/all-posts/best-vitamins-for-seniors https://www.nia.nih.gov/health/dietary-supplements-older-adults https://www.healthline.com/nutrition/10-of-the-best-supplements-for-healthy-aging https://www.ageuk.org.uk/information-advice/health-wellbeing/healthy-eating/vitamins-for-older-people/ https://www.aarp.org/health/drugs-supplements/info-2015/must-have-supplements.html https://nutritotal.com.br/publico-geral/conheca-os-suplementos-mais-indicados-aos-pacientes-com-alzheimer/

Esse artigo foi: Criado por Nutricionistas