Alimentos para engravidar: será que alguma comida funciona?

Legenda: 
Alimentos para engravidar

A alimentação equilibrada é uma das chaves da vida saudável. Além disso, alguns alimentos podem ajudar a aliviar os sintomas de alguns problemas de saúde, como a tosse e a gripe. Por isso, é até normal as pessoas perguntarem se existem alimentos para engravidar. Afinal, a alimentação ajuda em tanta coisa, não é?

Para começar, uma pergunta: você sabia que alimentação e peso saudáveis são peças chaves para casais que querem engravidar? Isso porque os nossos hábitos de vida estão diretamente relacionados com a fertilidade.

A reprodução humana depende do equilíbrio hormonal das duas pessoas envolvidas. Por isso, é importante observar o que pode afetar ou gerar desequilíbrios. Além disso, pais saudáveis reduzem as complicações durante a gestação e/ou no momento do parto, podendo ainda gerar um bebê mais saudável.

Antes de falarmos de alimentos para engravidar, porém, é sempre bom ter em mente que quem está com dificuldades para engravidar precisa procurar orientação médica.

 

Alimentos para engravidar?

É bom ter em mente que nenhum alimento é, por si só, um “alimento para engravidar”. Uma alimentação saudável precisa estar no contexto de um estilo de vida saudável, acompanhada de atividades físicas e boas noites de sono, por exemplo.

 

Alimentos para engravidar: O que prejudica a fertilidade?

Como já vimos, não adianta pensar em alimentos para engravidar se a alimentação equilibrada não for acompanhada de um estilo de vida saudável. Por isso, vamos apresentar aqui uma lista de hábitos, inclusive alimentares, que podem prejudicar a fertilidade.

Agora, quais são as situações que ajudam na fertilidade? Existe uma dieta específica?

 

Alimentos para engravidar: fatores que favorecem a fertilidade

Não existe uma dieta específica para engravidar ou que dê um up na fertilidade. Por isso, não existem alimentos para engravidar num passe de mágica. Incorporar hábitos saudáveis e manter um peso adequado é o que pode ajudar bastante. Vamos dar algumas de alimentação para você que quer engravidar:

1. Inserir alimentos frescos e comida: vegetais em geral, frutas, cereais (linhaça, aveia, gergelim), leguminosas (feijões, grão de bico, lentilha) e bons carboidratos (batata, batata doce, mandioquinha, mandioca, abóbora), fontes de proteína (frango, peixes, ovos, carnes, tofu). Esses alimentos contêm nutrientes importantes como vitaminas do complexo B, vitamina E e zinco.
2. Atenção para fontes de gordura boa e Ômega-3: castanhas em geral (castanha de caju, amêndoas, nozes, pistache, castanha-do-pará), amendoim, coco, abacate, azeite de oliva e peixes mais gordurosos (salmão, atum e sardinha).
3. Reduza o consumo de cafeína, evite consumir bebidas alcoólicas e não fume.

Conta para a gente, você conhece algum casal que está tentando engravidar? Essa dificuldade está mais presente nas famílias atualmente, justamente pelo estilo de vida conturbado, estressante e alimentação pouco saudável. Caso conheça, convido você a compartilhar essa matéria, a nutrição e um estilo de vida saudáveis podem mudar vidas!

Se você gostou desse texto, explore o Que Bem que Faz e nutra-se de informação!

Nutricionista Carolina Horcajo Agostinetti CRN:37.853


Perguntas frequentes

  • Tem como aumentar a fertilidade?

    Sim. Incorporar hábitos saudáveis e fazer tratamentos hormonais (quando necessário) ajudam a aumentar a fertilidade.

  • Qual é a melhor dieta para engravidar? Existe alimento para engravidar?

    Não existe uma dieta específica que ajude a engravidar, mas o casal pode investir em uma alimentação mais saudável que ajude na fertilidade.

 

Fontes:

LEITES, S.M.C. Alimentação na preconcepção e fertilidade feminina. Faculdade de Ciências da nutrição e alimentação da Universidade do Porto. Porto, 2021.

GOTARDO, A, F; VIZINONI, E. V; BONAPAZ, R. Maus hábitos cotidianos e a fertilidade feminina. XIII encontro de iniciação científica e mostra de pós graduação. Guarapuava, 2020.

ANTONINHO, R.F.C. Consequências do estresse na fertilidade humana. Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra, 2019.

Esse artigo foi: Criado por Nutricionistas