Sorry, you need to enable JavaScript to visit this website.

Vitamina D: para que serve? Quais seus benefícios e contraindicações?

Legenda: 
Vitamina D: leite

A vitamina D é um nutriente muito importante quando o assunto é a formação e a saúde dos ossos. Isso porque visto que só conseguimos absorver cálcio – o principal componente dos ossos – se a vitamina D estiver presente. Além disso, ela também atua em outros aspectos do organismo: ela ajuda a manter a imunidade em dia, atuam nos músculos e até nas atividades das células cerebrais. Além disso, ela tem propriedades anti-inflamatórias e antioxidantes, entre outras.

E, por ser uma vitamina tão importante, precisamos manter os níveis dela sempre em ordem. Mas de onde tiramos a vitamina D?

 

Onde encontrar a vitamina D?

Ela não é encontrada tão facilmente em alimentos, mas está presente em alguns, como leite fortificado e peixes. Mas a forma mais fácil de conseguir vitamina D é através do nosso próprio corpo!

A nossa pele produz vitamina D quando exposta à luz solar. O recomendado é ficar exposto ao sol, sem exagerar, de 2 a 3 vezes por semana; porém, para que essa essa exposição seja saudável, é importante levar em consideração fatores como a hora do dia, a estação do ano ou mesmo a pigmentação da nossa pele. Por isso, é sempre melhor consultar um médico para saber qual a melhor quantidade de tempo a que se deve ficar exposto. Vale lembrar, também, que algumas medidas de proteção servem para todos, como:

  • Usar protetor solar, óculos de sol ou algum chapéu. O importante é garantir que não se esteja diretamente exposto aos raios solares quando estão fortes;
  • E, complementando a dica acima, evitar ficar exposto ao sol forte, por volta das onze da manhã até às três da tarde dependendo do lugar, ainda mais sem proteção.

 

Benefícios da vitamina D

A vitamina D traz diversos benefícios à nossa saúde, quando obtida de forma adequada. Veja alguns deles:

  • Ajuda a tratar doenças ósseas. Por ser importante tanto para a absorção de cálcio, como também de fosfato, é capaz de ajudar nos tratamentos de distúrbios ósseos.
  • Usada em tratamentos da tireóide. Níveis baixos de hormônio da paratireóide podem fazer com que os níveis de cálcio se tornem muito baixos, e a vitamina D é eficaz para regular esses níveis.
  • Prevenção de câncer e outras doenças como a esclerose múltipla. A vitamina D também participa do controle celular e ajuda a controlar a formação e proliferação de células malignas causadoras de cânceres – como os de próstata e mama, por exemplo.
  • Fortalece os músculos. Por estar presente no processo de formação muscular, é associada à maior força e agilidade muscular.

 

Deficiência de vitamina D

A deficiência de vitamina D é algo mais comum do que você imagina. Pessoas que não tomam muito sol são mais propensas à escassez de vitamina D no organismo. Também os mais velhos correm o risco de ter deficiência de vitamina D, mesmo os que moram em lugares quentes e ensolarados. É que o organismo já não funciona mais como na juventude, e por isso eles enfrentam problemas para absorver e converter a vitamina, seja a proveniente dos raios solares ou a da dieta.

Além disso, pessoas com pele naturalmente mais escura correm maior risco de escassez de vitamina D, pois a melanina – pigmento presente na pele, mas em maior quantidade em peles escuras – age como uma barreira, e a pele não consegue absorver tanta radiação UV.

Durante a gravidez é necessária ainda mais atenção porque, para as gestantes, o consumo de vitamina D é essencial. A gestação é considerada um período crítico em que a vitamina D é muito necessária, pois sua deficiência pode se relacionar com o desenvolvimento de diabetes gestacional e complicações para o bebê.

Durante a amamentação também é importante ficar de olho na vitamina D, pois o leite materno, por mais que a mãe esteja com a ingestão da vitamina em dia, não contém vitamina D suficiente. Por isso, é recomendado que se faça suplementação logo após o nascimento e enquanto o aleitamento materno for a fonte de alimento exclusivo da criança, para garantir que ela também tenha suas necessidades de vitamina supridas.

 

Suplementação de vitamina D

Para casos como esses citados acima, o médico pode indicar uma suplementação de vitamina D. E tem que ser o médico ou algum especialista, como um nutricionista: nada de tomar suplemento de vitamina D por conta, certo?

 

O excesso de vitamina D pode trazer riscos à saúde?

Como muitas outras coisas na vida, “mais” não quer dizer “melhor” – e o mesmo se aplica para a vitamina D, que pode ser tóxica quando consumida em excesso.

Como ela é responsável por aumentar a absorção de cálcio, o seu excesso acarreta em algo chamado hipercalcemia acentuada, que se dá quando há excesso de cálcio no nosso organismo, podendo causar sintomas como náuseas, fraqueza muscular, perda de apetite, cálculos renais, entre outros. Os especialistas não acreditam que a exposição excessiva ao sol possa resultar em toxicidade de vitamina D; no entanto, alertam para as camas de bronzeamento artificial, que por gerarem radiação ultravioleta artificial, podem ser prejudiciais se o seu uso for frequente. Por isso, vale o que já dissemos: sempre consulte um médico para saber como estão seus níveis de vitamina D e cálcio, para saber se há necessidade de suplementação.

 

Alimentos com vitamina D

Tirando isso, basta simplesmente reservar um tempinho para tomar sol de manhã ou à tardezinha, e prestar atenção se sua dieta inclui uma variedade de alimentos que possam ajudar na obtenção da vitamina D, como:

  • Leites, cereais e alguns sucos de laranja e iogurte, que são fortificados com vitamina D e cálcio.
  • Alimentos proteicos, como carnes magras, frutos do mar, leguminosas, ovos, entre outros.
  • Peixes gordurosos, como cavala, salmão ou atum.

Consumindo esses alimentos, e limitando os açúcares, gorduras não saudáveis e o álcool em excesso, já deve ser suficiente para manter-se saudável e em dia com a vitamina D.

Para saber mais sobre vitaminas – da A à K – , é só acompanhar as novidades do Que bem que Faz. Além de saber tudo sobre elas, você vai descobrir em que alimentos encontrá-las e muito mais dicas de saúde, bem-estar e alimentação.

 

Referências

Esse artigo foi: Criado por Nutricionistas